Estados Unidos apresentam nova queixa contra China na OMC

Governo americano ataca os subsídios que o país asiático oferece para a fabricação de automóveis e autopeças e que somariam mais de US$ 1 bilhão

Agência Estado |

Agência Estado

O governo dos Estados Unidos registrou uma reclamação contra a China na Organização Mundial do Comércio (OMC), criticando os subsídios que o país oferece para a fabricação de automóveis e autopeças, que somariam mais de US$ 1 bilhão. "O programa da China parece fornecer subsídios para exportação que são proibidos pelas regras do OMC, porque eles distorcem severamente o comércio", disse em comunicado o Representante de Comércio dos EUA, Ron Kirk.

Brasil critica política monetária dos Estados Unidos

"Os subsídios fornecem uma vantagem injusta para fabricantes de automóveis e autopeças localizados na China, que competem com produtores dos EUA e de outros países. Com base em documentos públicos, as chamadas 'bases de exportações' ofereceram pelo menos US$ 1 bilhão em subsídios para fabricantes chineses entre 2009 e 2011", diz o comunicado do governo norte-americano.

"A administração Barack Obama está comprometida em proteger os direitos de quase 800 mil trabalhadores norte-americanos do setor de automóveis e autopeças, que soma US$ 350 bilhões".

Um pouco mais cedo, a China tinha informado que apresentou uma queixa na OMC contra tarifas impostas pelos EUA a uma série de produtos chineses. Washington alega que as tarifas foram adotadas para defender os produtores norte-americanos do que o governo dos EUA considera ser práticas injustas de comércio da China.

As tarifas envolvem produtos como aço, pneus, torres para turbinas eólicas, ímãs, eletrodomésticos e pisos de madeira, entre outros.

A questão tarifária se tornou um crescente foco de tensão entre os dois países, ainda mas nesse período de eleição nos EUA.

Pouco após a notícia da ação dos norte-americanos na OMC, o candidato republicano na disputa pela Casa Branca, Mitt Romney, disse que a medida adotada pela administração Obama "é muito pouco e veio muito tarde". "Eu não vou esperar até os últimos meses do meu mandato para enfrentar a China, ou fazê-lo somente quando se tem votos em jogo", comentou Romney em comunicado. As informações são da Dow Jones.

Leia tudo sobre: ECONOMICOECONOMIA

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG