Cerca de 85% dos ativos das 45 maiores instituições financeiras do País estão nas mãos de oito bancos: Banco do Brasil, Bradesco, Itaú, Caixa, Unibanco, ABN Amro, Santander e HSBC. Juntas, elas respondiam, em junho, por 82% do estoque de empréstimos e financiamentos, segundo levantamento da Austin Rating.

Os 18% restantes correspondiam a carteiras de bancos de pequeno e médio porte, com ativos inferiores a R$ 15 bilhões. Pela falta de escala, essas instituições se especializaram em determinados nichos de mercado, se tornaram bastante competitivas e viraram alvos de grandes bancos. Alguns focaram os negócios no atendimento às médias empresas, como é o caso de BicBanco, Pine, Sofisa, Daycoval e Indusval.

Outros entraram de cabeça nos empréstimos consignados antes mesmo dessa modalidade ser popularizada no País. Nessa lista, estão BMG, Banco Cruzeiro do Sul e Paraná Banco. Há ainda aqueles mais especializados na concessão de financiamento de veículos, como é o caso do Banco Panamericano, do grupo Silvio Santos.

Nos últimos anos, com a ampla liquidez mundial e queda dos juros no mercado interno, grandes bancos, como Itaú e Bradesco, resolveram jogar suas fichas para conquistar o mercado dessas instituições, mas especificamente aquele voltado ao crédito para pequenas e médias empresas. No caso do consignado, a estratégia foi ampliar a participação por meio da aquisição de carteiras ou compra de bancos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.