Tamanho do texto

O secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo Jorge Martins Alves Sobrinho, está irredutível. Quer que a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) cumpra imediatamente ao menos parte das exigências impostas ao Aeroporto de Congonhas.

O secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo Jorge Martins Alves Sobrinho, está irredutível. Quer que a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) cumpra imediatamente ao menos parte das exigências impostas ao Aeroporto de Congonhas. "Não vamos recuar", diz. Para ele, a Licença Ambiental de Operação concedida ao aeroporto, na qual constam as 93 exigências, trará "um ganho para a cidade". Abaixo, trechos da entrevista concedida ontem ao Estado: Não há como se chegar a um acordo com a Infraero? Dizem que não houve diálogo, mas não é verdade. Esse processo tem mais de três anos, um ano só dedicado a debates. A Infraero só providenciou o EIA-Rima (Estudo e Relatório de Impacto Ambiental) depois que a multamos em R$ 10 milhões. A redução do horário de Congonhas não trará impacto negativo sobre o setor aéreo? Por causa da importância do aeroporto, a secretaria foi o mais ponderável possível. As exigências são rigorosas, mas permitem que ele sobreviva até que o governo federal encontre uma solução definitiva. Nós pesquisamos o funcionamentos de aeroportos similares a Congonhas no mundo inteiro. Já tivemos muita tolerância. O que a cidade ganha com as regras impostas ao aeroporto? Haverá um ganho para a capital. Enquanto o governo federal não amplia os aeroportos existentes ou parte para um terceiro aeroporto, é preciso que Congonhas se adapte à cidade. É preciso respeitar a saúde de quem vive no entorno. As pessoas, algumas delas idosas, não têm como conviver com barulho de avião das 6 às 23 horas todos os dias.
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.